Menu
 

Um dos últimos defensores de Dilma foi, em 1992, líder do movimento cara-pintada contra o ex-presidente Collor


O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos poucos defensores da ex-presidente Dilma Rousseff, saiu do plenário do Senado por volta das 7 horas desta quinta-feira. Caminhou com pressa, falando no celular, em direção ao seu gabinete. Dizia estar exaurido. Aparentava estar desconsolado. Tudo o que ele queria, após mais de 20 horas de sessão, era tomar um banho e lavar o rosto para acordar. Acordar para uma realidade diferente daquela vivida por ele em 1992, quando liderou o movimento cara-pintada durante o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Naquela época, Lindbergh estava do lado vencedor. Hoje, saiu derrotado, com o placar final de 55 senadores favoráveis ao afastamento de Dilma da presidência - e 22 contra. Lindbergh votou contra o impeachment. Collor, hoje senador por Alagoas e que conhece como ninguém o impeachment, votou a favor. E ainda disse que alertou Dilma: "Não foi por falta de aviso". Para Collor, a presidente deveria ter reconhecido os seus erros antes de chegar a esse desfecho dramático. Lindbergh, porém, discorda. Em entrevista a VEJA, logo após a votação do impeachment, questionou: "Quem é Collor para dar conselho a Dilma?" (assista ao vídeo abaixo).

Collor, segundo o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, delator na Lava Jato, foi sócio de Dilma e do ex-presidente Lula na BR Distribuidora, subsidiária da maior estatal do país. Em troca de apoio político no Congresso ao governo do PT, ganhou a ascendência sobre a companhia para mandar e desmandar, sem qualquer intervenção do Planalto. E deu no que deu. Collor hoje é investigado na Lava Jato, acusado, entre outras coisas, de ter desviado um dinheirão da BR Distribuidora. Lindbergh também se tornou alvo do escândalo do petrolão. Ele é suspeito de ter recebido 2 milhões de reais em sua campanha de 2010, oriundos de empreiteiras que tinham contratos com a Petrobras. Essa doação foi intermediada por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal e um dos principais delatores da Lava-Jato. Lindbergh e Collor, personagens antagônicos em dois processos de impeachment, hoje concordam apenas num ponto: negam que tenham cometido qualquer irregularidade. Assim como os ex-presidente Lula e Dilma.

Agora, Lindbergh Farias atacou o vice-presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e reforçou que fará uma dura oposição contra o Novo Governo. Promete voltar a ser o cara pintada de 1992 e declara:
“Não demorará. Daqui a três ou quatro meses, vamos colocar o governo Temer, esse impostor, para fora do Palácio do Planalto”. O senador apelou aos colegas para que “não se enganem”, pois o processo atual passará para a história “como um golpe parlamentar. Não manchem suas biografias”

Resta saber se o escândalo do Petrolão e as investigações da Lava Jato deixarão o senador cumprir o que promete. É esperar para ver!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postar um comentário

  1. Isso mesmo, Lindinho! Pinta a cara, veste um modelito bacana, um salto alto de arrasar e vai à luta!

    ResponderExcluir
  2. Que interessante! O Lindinho apoiou o impeachment de Collor, que por sua vez apoia o impeachment de Dilma que o Lindinho não apoia.

    ResponderExcluir
  3. Ler a história pra saber as diferenças não é interessante...falar merda é mais fácil.RSS golpistas safados

    ResponderExcluir
  4. O teu fim Lindinho é vendo o sol nascer quadrado.

    ResponderExcluir
  5. Quero ver a Lava Jato INVESTIGAR TODOS acusados, incluindo PSDB,PP, PMDB,etc, e punir TODA ESSA GENTE, em especial o Listão da Odebrecht. Enquanto ficar SÓ no PT como tem sido, a operação NÃO terá moral NEM credibilidade.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. SE ELE QSER PINTAREMOS A CARA DELE DE VERMELHO " PORRADA " .

    ResponderExcluir

 
Top